Lara Maçola é “Pris”

A jovem modelo araraquarense Lara Maçola interpreta a personagem “Pris”, de “Blade Runner – O Caçador de Andróides” – dirigido por Ridley Scott e lançado em 1982 – neste ensaio do fotojornalista Jonas Bezerra e que leva o nome da personagem de Daryl Hannah, no filme. Continue lendo “Lara Maçola é “Pris””

Anúncios

Loyola, o mais novo imortal da ABL

Um dos principais escritores da atualidade no país, o araraquarense Ignácio de Loyola Brandão foi eleito – por unanimidade, 31 votos – nesta quinta-feira (14) membro da Academia Brasileira de Letras (ABL).

Nascido em 1936, com mais de 40 livros ao longo da carreira entre romances, coletâneas de contos e de crônicas e literatura infantil, Loyola irá ocupar a Cadeira 11 que pertencia ao jurista e sociólogo Hélio Jaguaribe, morto em setembro do ano passado.

Foi no jornalismo o início de sua carreira. Ainda na juventude escreveu para o jornal O Imparcial. Aos 21 anos, muda-se para São Paulo onde trabalhou no jornal Última Hora. Escreveu também para várias revistas como Cláudia, Realidade e Vogue. O seu reconhecimento no meio veio em 2016. Na ocasião, Loyola ganhou o Prêmio Machado de Assis, entregue pela própria ABL, pelo conjunto da obra.

Entre as obras do escritor, estão “Não verás país nenhum”,  “O mel de Ocara” e “Zero”, seu romance mais célebre, lançado primeiramente na Itália depois de ter sido proibido pelo regime militar brasileiro. Lançada anos depois no Brasil, a obra se tornou um clássico da literatura nacional.

João Carlos Martins & Bachianas retornam a Araraquara

Na coletiva de imprensa realizada na tarde desta terça-feira (8), Prefeitura e Sesi anunciaram o espetáculo “Orquestra Bachiana Filarmônica”, com o maestro João Carlos Martins, que irá acontecer no próximo dia 25 de maio, na área externa do CEAR (Centro de Eventos  de Araraquara e Região), gratuita e aberta ao público.

De acordo com o prefeito Edinho Silva, a expectativa é de cinco mil pessoas compareçam para prestigiar o concerto. “Montaremos uma estrutura com duas mil cadeiras para público, especialmente, pessoas mais idosas. Mas, a nossa expectativa é de que cinco mil pessoas compareçam ao concerto”.

Foto: divulgação

O Prefeito de Araraquara destaca ainda que será “um momento marcante na Cultura da cidade. Sou muito grato ao Sesi e ao presidente da Fiesp, Paulo Skaf. O maestro é um dos maiores músicos em vida e tem um grande exemplo de superação pessoal”.

Segundo o diretor do Sesi Araraquara, Alexandre Minghin, “o Sesi atende a um pedido da Prefeitura. Agora vem o concerto completo, com capacidade de público mais ampliada, atendendo a expectativa do público por mais acesso à música erudita”, disse.

A secretária de Cultura, Teresa Telarolli, frisa que a vinda das Bachianas e do maestro não terão custos à Prefeitura, que apenas irá disponibilizar palco, som, banheiros, segurança, entre outros detalhes de infraestrutura.

Veja o repertório: “Jesus Alegria dos Homens” (Bach), “As Criaturas de Prometheus” (Beethoven), “Concerto Nº 5 – Imperador – 2º Mov” (Beethoven), “Sinfonia Nº 5 – 4º Mov” (Beethoven), “Concerto para Piano Nº 21 – 2º Mov” (Mozart), “Yesterday” (The Beatles), “Love My Life” (Queen), “A Missão” / “Cine Paradiso” (Ennio Marricone), “Libertango” (Astor Piazzola) e “Trem das Onze” (Adoniram Barbosa).

Alan Turing e Vargas: os contrapontos de uma história

Após a Segunda Guerra Mundial o mundo viveu um período de grandes mudanças e rupturas econômicas e políticas. Se acima do Equador havia a Guerra Fria, abaixo, políticas populistas tomavam conta dos países sul-americanos.

Eis, então, os acontecimentos que nos remetem a dois personagens que foram relevantes para o universo histórico a qual pertenciam: Alan Turing e Getúlio Vargas.  O que eles têm em comum? O suicídio com desfechos antagônicos. Vamos aos fatos:

Getúlio Vargas e Alan Turing: o suicídio como desfecho (Arquivo internet: foto colagem)

Alan Turing, matemático britânico, criou a teoria da computação. Durante a Segunda Guerra, quando foi recrutado pelo exército de seu país, ele conseguiu decifrar mensagens secretas transmitidas por telégrafos entre as tropas de Adolf Hitler. A partir daí, a guerra tomou novos rumos e o império nazista começou à ruir. Inventor de testes até hoje utilizados em pesquisas de inteligência artificial, ele suicidou-se na prisão, em 7 de junho de 1954.

Do outro lado, ao sul do Atlântico, temos Getúlio Vargas, um político populista. Em 1954, Vargas era fortemente pressionado pela União Democrática Nacional (UDN). A crise política tomara conta do País e um golpe de Estado estava prestes a se perpetuar. Vargas se suicida, o povo saiu às ruas, o golpe não se concretiza e no desfecho da história o presidente do Brasil se torna um herói. O controverso golpe de Estado veio ocorrer somente 10 anos depois.

Dois suicídios em 1954. O homem que venceu Hitler não era nenhum chefe de estado, muito menos um comandante de guerra. Turing era o avesso de toda a ideologia nazista da raça pura e perfeita. Anos depois de ter colocado em ruína o Terceiro Reich ele se suicida numa prisão ao comer uma maçã jorrada em cianeto. Motivo da prisão: era homossexual. Já Getúlio Vargas, político populista, tornou-se um “herói” no Brasil e ficou conhecido como o “pai dos pobres”.

Enquanto nossas primaveras vão ficando mais curtas, a história, com seus pontos paradoxais, vai sendo contada e recontada. E, de fato, cedo ou tarde seus personagens desconhecidos deixam o anonimato. Já, para os populistas, outras “verdades” vem à tona.

Araraquara comemora o Dia Mundial da Dança

Uma programação diversificada e gratuita aconteceu na penúltima semana de abril, a fim de celebrar o Dia Internacional da Dança, comemorado em 29 de abril. Os eventos propostos foram uma realização do Conselho Municipal de Cultura e Escola Municipal de Dança Iracema Nogueira (EMD), por meio das Secretarias Municipais da Educação e da Cultura.

Foto: Jonas Bezerra

Aconteceram palestras, encontros, oficinas e espetáculos estão na programação que deram visibilidade para a linguagem artística da dança enquanto profissão, assim como a valorizar todos os profissionais atuantes na área – artistas, técnicos e professores de Dança de Araraquara e região.

Encerrando às atividades, no sábado (28), a partir das 19h30, no Teatro de Arena “Prefeito Benedito de Oliveira”, aconteceu o “Dança em Cena”, apresentações dos trabalhos de dança de grupos, escolas e artistas da cidade e região.

 

“Uma boa fotografia é onde você está” (Ansel Adams)

Clearing Winter Storm, Yosemite Valley, California, ca. 1937

Fotógrafo norte-americano nascido em São Francisco, no início do século passado, Ansel Adams morreu em 1984, aos 82 anos de idade. Iniciou na fotografia aos 16 anos quando, durante uma viagem com a família, fotografou o Parque Nacional de Yosemite que se tornou sua fonte de inspiração.

Em 1922 foram publicadas as primeiras fotos e, em 1928, aconteceu a sua primeira exposição em São Francisco. Mas o marco de seu trabalho foram as duas fotos tiradas do Parque Yosemite, em Sierra Nevada, conhecidas como Monolight, the Face Of Hall Dome.

Monolith, the Face of Half Dome, Yosemite National Park, 1927

No mundo da fotografia, Adams dizia que “uma boa fotografia é onde você está”.  No entanto suas reflexões sobre iam mais além: “Você não faz uma fotografia apenas com a câmeraVocê traz para o ato de fotografar todas as fotos que já viu, os livros que leu, as músicas que ouviu e as pessoas que amou”.

Assim se delineou o universo do fotógrafo norte-americano que transformou a fotografia em arte pura, diferentemente dos trabalhos de outros fotógrafos como Henry Cartier-Bresson e Roberto Capa. Suas fotos de longa exposição com equipamentos mais pesados exigiam tripés e um posicionamento mais cuidadoso.

Sobre essa observação, em seu livro “A Câmera”, Adams toca nessa questão e comenta sobre o equipamento ideal: “prefiro mostrar a natureza de diferentes modelos de câmeras e seus recursos, esperando que o fotógrafo possa levar essas discussões em consideração no contexto de suas intenções e de seu próprio estilo”. Sobre o tema, Adams escreveu mais dois livros: “O Negativo” e “A Cópia”.

Mirror Lake, Morning, Yosemite National Park, 1928

Preciso em sua arte, ele detalha em seus trabalhos o rigor técnico na produção fotográfica, desde a escolha do equipamento, os ajustes precisos para a fiel reprodução da realidade. Ou seja, para Ansel Adams fotografar é reproduzir imagens espetaculares a partir do olhar e do espírito do fotógrafo. Em outras palavras, o estilo molda a técnica em fotografar adequando-a a criatividade do profissional.

Visite: www.jonasbezerra.com

 

WordPress.com.

Acima ↑